Os sofrimentos do Filho do Homem


7. Leia Isaías 53:1-6. O que esse texto nos diz sobre os sofrimentos do Senhor na cruz?

Isaías 53:4 diz que Jesus levou as nossas enfermidades e as nossas dores. Isso também inclui as enfermidade e as dores de Jó; e não apenas as de Jó, mas de todo o mundo. Foi pelo pecado de todos os seres humanos que já viveram que Jesus morreu na cruz.

Portanto, é somente na cruz que o livro de Jó pode ser colocado na perspectiva correta. Na cruz, vemos o mesmo Deus que havia Se revelado a Jó. Ali, o Deus que ensina a águia a voar e liga os quarks aos prótons e nêutrons sofreu mais do que qualquer ser humano já sofreu ou pode sofrer, até mesmo Jó. As enfermidades e dores que individualmente experimentamos, Ele assumiu de maneira coletiva. Ninguém, então, pode Lhe dar lições sobre sofrimento, pois Ele, em Sua humanidade, tomou sobre Si o peso de todo o sofrimento que o pecado espalhou ao redor do globo. Conhecemos apenas nossas próprias enfermidades e dores; na cruz, Jesus experimentou todas elas.

O Deus que perguntou a Jó: “Sabes tu as ordenanças dos céus, podes estabelecer a sua influência sobre a Terra?” (Jó 38:33) tornou-Se ainda mais incrível quando nos damos conta de que, embora Ele tenha criado “as ordenanças dos céus”, Ele também tomou sobre Si a natureza humana e nela morreu para que “destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo” (Hb 2:14).

O livro de Jó faz mais sentido se for contemplado através da cruz do que sem ela, pois a cruz responde muitas questões que o livro deixa sem resposta. E eis a maior questão de todas: Teria sido justo Deus estar no Céu, enquanto Jó, na Terra, era forçado a sofrer a fim de refutar as acusações de Satanás? A cruz nos mostra que, não importando quanto Jó ou qualquer outro ser humano tenha sofrido neste mundo, nosso Senhor voluntariamente sofreu muito mais do que qualquer um de nós poderia sofrer. Tudo isso foi feito para que tivéssemos a esperança e a promessa da salvação.

Jó considerava Deus como Criador. Depois da cruz, nós O vemos como Criador e Redentor, ou precisamente, o Criador que se tornou nosso Redentor (Fp 2:6-8). Para que isso fosse possível, Ele teve que sofrer pelo pecado de um modo que nenhum outro ser humano, inclusive Jó, sofreria ou seria capaz de sofrer. Portanto, como Jó, o que podemos fazer diante de tal cena, senão exclamar: “Por isso, me abomino e me arrependo no pó e na cinza”? (Jó 42:6).