O fundamento da oração bíblica: reivindicar as promessas de Deus


Toda fé é inútil se não reivindicamos as coisas pelas quais oramos.

6. Leia 1 João 5:14, 15. Embora Deus sempre nos ouça, quando podemos ter a certeza de que Ele nos ouve e de que receberemos o que temos Lhe pedido?

O terceiro aspecto da oração bíblica é o recebimento. Depois de pedir a Deus e crer em Suas promessas, precisamos reivindicar o que Ele prometeu. Reivindicamos a promessa de Deus quando Lhe agradecemos por tê-la recebido. Assim, as promessas são aplicadas ao nosso coração. Ellen White disse que “Podemos pedir […] qualquer dom que Ele tenha prometido; então devemos crer que o recebemos, e agradecer a Deus porque o temos recebido” (Ellen G. White, Educação, p. 258).

Em Lucas 8:11, Jesus comparou a Palavra de Deus a uma semente. Da mesma forma que toda a macieira está contida em uma única semente de maçã, a dádiva de Deus está contida em Suas promessas. Quando reivindicamos a promessa e agradecemos a Deus por ela, já temos a dádiva que Ele prometeu. Recebemos o dom prometido pela fé, mesmo antes de vê-lo ou senti-lo.

No episódio da ressurreição de Lázaro, em João 11, Jesus orou dessa maneira. Ele sabia exatamente qual era a vontade de Deus naquela situação. João 11:11 diz que Ele estava disposto a fazer a vontade de Deus e que foi obediente. Em João 11:39-41, lemos que Jesus agradeceu ao Pai antecipadamente porque Ele ressuscitaria Lázaro, embora o amigo ainda estivesse na sepultura. Ao agradecer ao Pai, Cristo recebeu aquilo que havia pedido. Como filhos de Deus, devemos viver de Suas promessas, não de Suas explicações. Embora não possamos explicar todas as coisas, podemos confiar nas promessas que Ele nos fez.

“O Senhor diz: ‘Invoca-Me no dia da angústia’ (Sl 50:15). Ele nos convida a Lhe expormos nossas perplexidades e carências, e nossa necessidade de auxílio divino. Exorta-nos a perseverar na oração. Logo que surgirem dificuldades, devemos apresentar-Lhe nossas petições sinceras e francas. Pelas orações insistentes evidenciamos nossa forte confiança em Deus. O senso de nossa necessidade nos induz a orar com fervor, e nosso Pai celestial é movido por nossas súplicas” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 172).

Por que é tão importante sempre levar tudo a Deus em oração?