Jesus, nosso sacrifício


Talvez o principal tema da Bíblia seja a obra de Deus em salvar a humanidade. Desde a queda de Adão e Eva, em Gênesis, até a queda de Babilônia em Apocalipse, as Escrituras, de uma ou de outra maneira, revelam a obra de “buscar e salvar o perdido” (Lc 19:10). Esse tema também é revelado nas cartas de Pedro.

1. Leia 1 Pedro 1:18, 19 e Colossenses 1:13, 14. O que significa ser redimido? Qual é a relação entre o sangue e a redenção? Assinale a alternativa correta:

  • A. ( ) Ser resgatado do reino das trevas para o reino da luz pelos méritos de Jesus. O preço da redenção foi pago com sangue.
  • B. ( ) Ser resgatado do controle da natureza pecaminosa e ser santificado. A redenção só é possível com derramamento de sangue.
  • C. ( ) As duas alternativas anteriores estão corretas.

Em 1 Pedro 1:18, 19 há uma descrição da importância da morte de Jesus: “Vocês […] foram redimidos […] pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito” (NVI). Existem duas ideias fundamentais nessas palavras: redenção e sacrifício de animais.

A palavra redenção foi empregada na Bíblia em diversos contextos. Por exemplo, o primeiro jumentinho que nascesse (que não poderia ser sacrificado) e o filho primogênito (Êx 34:19, 20) eram redimidos pelo sacrifício de um cordeiro substituto. Era possível usar dinheiro para comprar de volta (redimir/resgatar) itens que haviam sido vendidos por causa da pobreza (Lv 25:25, 26). E o mais importante, um escravo podia ser redimido (Lv 25:47-49). Primeiramente, Pedro revelou aos seus leitores que o custo para redimi-los de seu “fútil procedimento” que seus pais os haviam legado (1Pe 1:18) foi nada menos do que o “precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo” (1Pe 1:19). A imagem do cordeiro evidentemente evoca o conceito do sacrifício animal.

Portanto, Pedro comparou a morte de Cristo à de um animal sacrificado no Antigo Testamento. O pecador trazia para o santuário uma ovelha sem defeito. Em seguida, colocava as mãos sobre ela (Lv 4:32, 33). O animal então era abatido e parte de seu sangue era espalhado sobre o altar. O sacerdote derramava o restante do sangue na base do altar (Lv 4:34). A morte do animal sacrificial provia a “expiação” por aquele que oferecia o sacrifício (Lv 4:35). Com isso, Pedro estava dizendo que Jesus morreu em nosso lugar e que Sua morte nos libertou da velha vida e da condenação que, de outra maneira, recairia sobre nós.

Nossa esperança está no Substituto que morreu em nosso lugar. O que isso ensina sobre nossa dependência de Deus?