Chamado incontestável – parte 2


No sábado passado, vimos que Richard estava brincando com o irmão mais velho quando acidentalmente quebraram o lindo vitral que enfeitava a porta de entrada da casa. Temeroso da reação que o pai poderia ter, ele pediu que Deus impedisse que seu pai ficasse descontrolado.

Quando o pai chegou, viu a porta com o vitral quebrado, e perguntou:

– Quem fez isto?

– Eu – foi a resposta de Richard.

– Você está machucado? Está tudo bem com você?

Para surpresa de Richard, seu pai ainda acrescentou que o mais importante era que o filho estava ileso. Disse que o vidro não era tão importante quanto ele. Então, Richard entendeu que aquela reação era uma resposta direta de Deus. Naquele momento, Richard se convenceu completamente de que Deus existe. Ele nunca mais questionou a existência de Deus. Esse episódio aconteceu quando ele tinha dez anos.

Ampliando a sinagoga

Como resultado do sucesso nos negócios, o pai de Richard conseguiu comprar uma casa vizinha àquela em que moravam em Villejuif. Quando se mudaram, ele explicou ao dono da casa anterior que a experiência da sinagoga tinha sido muito boa. Por isso, gostariam de remover o muro anexo às duas casas para que pudessem ter uma sinagoga maior. O proprietário gentilmente concordou, e essa sinagoga se tornou a sinagoga oficial de Villejuif.

Após um ano, Richard fez seu Bar Mitzvah e também fez o curso do Talmud Torah, quando aprendeu hebraico e orações judaicas; ele estudou rituais, festas e as Escrituras. Às quintas-feiras e nas manhãs de domingos, todos os meninos judeus de Villejuif iam à sinagoga a fim de se prepararem para o Bar Mitzvah, que significa “Filho do Mandamento”. Richard estava com 12 anos.

Apresentado como “judeu”

Richard continuava a vida com seus amigos “gentios” na escola pública. Um desses amigos era de família adventista; seu nome era Emmanuel. Seu pai era Manuel e a mãe, Manuela. Era uma família espanhola de Barcelona.

Certo dia, um grupo da classe foi à casa de Emmanuel. Ao chegar, Richard foi apresentado como judeu aos pais de Emmanuel. Para ele, foi um pouco estranho porque nunca tinha sido apresentado dessa maneira. O pai de Emmanuel ficou muito interessado. Depois, Richard descobriu que Manuel era um missionário muito comprometido. Ninguém saía da casa dele sem receber materiais que falavam sobre o cristianismo. Antes de se tornar adventista, aquele homem tinha sido comunista militante e desejara converter todos ao comunismo.

Ele disse:

– Oh, você é judeu! Isso é muito interessante. Você sabe que somos judeus espirituais?

O quê? – perguntou Richard. – Jamais tinha ouvido falar sobre judeus espirituais. Conheço católicos, protestantes, até testemunhas de Jeová […] mas, judeus espirituais?

– Sim. Saiba que você está seguro aqui. Alimentamo-nos da culinária kosher.

Eles não eram vegetarianos, e sempre compravam carne e outros alimentos no bairro kosher de Paris.

– E também guardamos o sábado, acrescentou Manuel.

Richard ficou intrigado. Mas, naquela época, não estava interessado em religião. Entretanto, sempre que visitava a casa de Manuel, era abordado com textos da Bíblia. Porém, contestava:

– Esta é a sua Bíblia, não é a minha. Essa não está correta.

– Você pode comprovar em sua Bíblia – respondia Manuel.

Então, em casa, Richard conferia as referências em sua própria Bíblia judaica e via que eram as mesmas da Bíblia de Manuel. Mas não pensava mais sobre o assunto.

Um ano se passou e Richard começou a namorar Lilliane, filha de Manuel, que não ficou muito feliz. Ele desejava que a filha se casasse com um rapaz adventista. Mas continuou a trabalhar no coração do jovem.

Certo dia, ele perguntou:

– Por que você não vem à nossa igreja para ver como funciona?

– Por que não? – respondeu Richard.

Então, na manhã de sábado, quando seus pais pensavam que ele estava na escola, Richard foi à igreja adventista. Ali, descobriu que a Escola Sabatina era um programa muito interessante. O professor era filho de um pastor adventista que havia sido presidente de um campo em Israel alguns anos antes. Ele tinha vivido em Israel, conhecia muito bem o hebraico e a Bíblia. Richard gostou da lição e depois disse a Manuel que desejava voltar. A partir de então, passou a ir à igreja adventista em vez de ir à escola, embora os pais pensassem que ele estivesse na escola.

O grande choque

Progressivamente, o Espírito Santo trabalhou no coração de Richard e guiou seus passos. Mas, então, algo terrível aconteceu. Manuel era um eletricista que reparava elevadores. Certo dia, ele se sentiu indisposto no trabalho, perdeu o equilíbrio e caiu no fosso do elevador. Gravemente ferido, foi levado ao hospital urgentemente, mas não resistiu.

Esse foi um verdadeiro choque para Richard. Manuel era jovem e forte e tinha somente 47 anos. Era um cristão firme em Cristo. Essa experiência ajudou Richard a pensar mais profundamente sobre a vida e a morte. Continua.